16.1.18

Minha experiência no México

16.1.18


Vim super entusiasmada a falar da série "El ministerio del tiempo", que de fato passará a ser parte do catálogo da Netflix, e o que "o povo" faz? Isso mesmo, CANCELA a série. Nem tenho palavras pra expressar meu descontentamento... E não é falta de prêmio ou de audiência, mas de descaso mesmo da emissora... Enfim, vida que segue, mas que coisa...

(Disseram que "Timeless" é uma versão bem piorada do Ministério, mas eu só consegui ver metade do primeiro episódio, então não sei dizer...).

A questão que não quer calar: SUMI MESMO. Passei os últimos nove meses no México, fui porque ganhei uma bolsa de doutorado sanduíche da CAPES, e não podia desperdiçar essa oportunidade, porque, como diz a senhora do carro do conserto das panelas que passa aqui na rua todo dia: "oportunidades nem sempre aparecem". E sendo uma pessoa que reclama de falta de oportunidades, quando uma aparece, tenho que correr atrás, é o mínimo.

Foi incrível passar esse tempo lá. Não viajei muito porque a CAPES não deixa, o foco do intercâmbio é o estudo; de todo jeito, e o mais importante, é que conheci pessoas tão maravilhosas que nem saberia explicar... E a parte boa é que isso dá um gás pra gente continuar as pesquisas e os estudos que as pessoas não imaginam. Se você tiver a oportunidade de fazer um intercâmbio, faça! Se for pra América Latina, não pense duas vezes. Antes de ir para o México, eu tinha morado por quase 3 anos na Colômbia e foi a melhor coisa da minha vida. Quem saiu daqui foi uma pessoa desanimada com a vida e o curso, e quem voltou foi uma pessoa motivada a subir até o último degrau da história xD.

Nem sei por onde começar a derramar as gentilezas. Fui bem tratada desde a Embaixada. Fui pegar o visto e o pessoal foi super paciente comigo, mesmo quando a "esperteza aqui" esqueceu de levar o dinheiro e se não fosse a minha tia, eu teria que ir andando até um supermercado mais próximo pra sacar.

E, depois, o contato com a minha co-orientadora: pensa num ser humano HUMANO. Eu já a conhecia, o que facilitou nosso contato, mas dispor de mais tempo pra conhecê-la e ser inserida no seu dia-a-dia foi um privilégio. Sou uma pessoa muito melhor depois dessa experiência, nossa, muito melhor... Ter convivido com ela foi ver a cada dia como é se doar por inteiro por algo que a gente ama. E essa doação é possível e é louvável, mesmo nesse mundo onde, não importa a área, não importa o nível intelectual, as pessoas ainda precisam crescer e amadurecer. Mesmo que as pessoas não recebam isso como deveria, mesmo que não reconheçam. O compromisso não é com o reconhecimento, mas com a ação e com a própria pessoa. Com ela eu vi que o crescimento é possível, sim. E vi, conforme aquela frase do Calvino, que existe, sim, "algo no meio do inferno que não é inferno", e que por mais que o exercício de diferenciar isso seja mais difícil a cada dia, quando isso acontece, nossa, muda tudo. 

E os amigos... Não sou uma pessoa de muitos amigos, mas não posso reclamar em nenhum momento da qualidade das pessoas que cruzam meu caminho. Conheci as melhores pessoas, daquelas que fazem almoço na sua casa pra você no sábado e daquelas que faz docinhos e leva na Universidade pra você... Daquelas que não aceita ver você passar o natal sozinha (e eu nem ligo pra isso, passo dormindo e feliz) e te chama pra dormir na casa da família e ainda te aguenta vendo filmes dos anos 90, coisa de ano que a pessoa nem tinha nascido ainda haha. Aaaaa, melhores lembranças. E pessoas que dizem "aqui você tem um irmão e uma casa, quando quiser voltar, só avisa". Morro todo dia com essas coisas.

Trabalhei muito, apresentei muito trabalho, fui a muitos eventos. E também tive tempo de me divertir e criar ótimas lembranças, compartilhando momentos com pessoas incríveis. Não posso reclamar de nada, não tem nada o que reclamar, na verdade. Só coisa boa =).

Eu sei que esse deveria ser um post em que falo dos lugares, hábitos e comidas, mas, enfim, depois eu falo sobre isso, por agora só consigo pensar nas pessoas que conheci e no quanto sou grata. 

E é isso. Espero que o resultado do meu trabalho demonstre tudo o que eu aprendi nessa experiência que mudou muito a respeito do modo de ver da minha própria pesquisa e da minha futura carreira como profissional. 




Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Que incrível! Estou né sentindo super feliz com a tua felicidade em ter vivido essa experiência. É tão bom quando algo nos faz tão bem e nos engrandece tanto, né?
    Estou curiosa pra saber mais... ansiosa pelo próximo post.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Menina! Quanto tempo não passava por aqui também... Que foda fazer doutorado sanduíche, conheci algumas pessoas que fizeram e disseram que é uma experiência incrível mesmo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito de visitar seu blog. Você de vez em quando me verá por aqui. Ando quieta, trocando de pele...
    Bjs

    ResponderExcluir

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©