9.4.17

Estereótipos femininos com que sempre me identifiquei

9.4.17


Já vamos para  nono dia de BEDA e, gente, minhas ideias estão começando a pifar... Apesar de estar sendo divertido eu AINDA conseguir postar de acordo com a agenda, não posso dizer que não é cansativo. Enfim, mas dessa vez eu vou conseguir! 

Depois de fazer um post aqui há muito tempo sobre personagens com que me identifico, quis fazer um especial só com mulheres. Mas daí me surgiu a ideia de que seria mais interessante ampliar um pouco isso e trazer alguns estereótipos com que sempre me identifiquei, porque isso orientou muito meu gosto para os filmes, livros, séries e novelas, inclusive. Desse modo, quero trazer várias personagens que "preenchem" esses estereótipos para vocês terem uma noção do que estou falando.

Só fazendo uma ressalva, isso é uma brincadeira. Não estou pretendendo colocar ninguém em caixinhas nem coisa do gênero, só pensando nos padrões das coisas que vejo mesmo, porque influenciaram muito a ser quem eu sou.

Outra ressalva, acho que todo estereótipo é negativo, e com esses aqui não poderia ser diferente. Assim, vou tentar discutir um pouco essas questões, porque de algum modo elas me incomodaram igual.

Enfim, vamos à minha enumeração: 


4º Lugar - A aventureira


Jody e Beth - http://teladecinema.net


Basicamente, eram meninas curiosas e que não dispensavam um bom mistério e uma boa aventura.

No meu modo de ver, existem aquelas que são aventureiras e guerreiras, conseguindo sair de várias situações difíceis usando suas destrezas, e aquelas que são desengonçadas, mas sua curiosidade acaba guiando-as para as mais diversas situações.

Com que me identifico? Sempre me identifiquei com esse tipo de personagem, porque era raro aparecer nos filmes e eu sempre fui uma pessoa muito inquieta que gostava de me enfiar em tudo quanto era buraco. 

Com que não me identifico? Salvo algumas raras exceções (que, inclusive, cito aqui), aquelas que não eram super femininas, sempre sofriam uma transformação ao longo do filme pra se arrumar e estar dentro do "padrão". Geralmente as desengonçadas precisavam de um homem para salvá-las, e elas acabavam se apaixonando por eles, mesmo que no início elas não se dessem com o jeito deles.

Personagens que podem ser incluídas nessa categoria: Jody e Beth (interpretadas respectivamente pela Christina Ricci e Anna Chlumsky) de Caçadoras de Aventuras; Thelma e Louise (interpretadas pelas atrizes Geena Davis e Susan Sarandon) de Thelma e Louise; 'Evy' Carnahan (Rachel Weisz) de A múmia.


3º Lugar - A mulher (que passa na frente dos) macho

Jo Harding - créditos na imagens

Esse é o tipo de personagem autossuficiente, que sempre soube o quis e foi melhor que todos os seus companheiros de trabalho. Ela sempre foi um perfil rejeitado pelos homens enquanto mulher, mas muito respeitada e botava as moral mesmo.

Com que me identifico? Identifico-me, porque, além de gostar desse lance do respeito, me via muito assim, desde sempre fui independente e meio masculina, líder das gangues na rua hahaha. 

Com que não me identifico. Sempre me incomodou o esforço já citado, de arrumar as que não eram arrumadas. Geralmente, dessas mulheres eram tiradas todas as características femininas para que pudessem impor respeito. E geralmente elas eram super amarguradas com a vida, motivo que as obrigavam ser como eram. 

Personagens que podem ser incluídas nessa categoria: Jo Harding (Helen Hunt) de Twister; Maria João (Viviane Pasmanter) da novela Uga-Uga; Idgie (Mary Stuart Masterson) de Tomates verdes fritos.


2º Lugar - A diferentona



Dinky Bossetti - http://www.imdb.com












Essa personagem é aquela marginalizada pelos colegas pelo seu jeito esquisito de ser. Como ela não cabe no mundo de que faz parte, ou cria uma couraça pra se proteger do mundo, ou cria um mundo só dela.

Com que me identifico? Pelo que eu disse acima, nas categorias anteriores, já deu para perceber que eu não era uma pessoa muito normal. Como essas meninas, tinha um senso absurdo de que não pertencia ao lugar em que me encontrava, estava muito, muito, muito fora do padrão e sempre encontrava refúgio na representação dessas personagens pela personalidade mais complexa que elas tinham.

Com que não me identifico? Salvo algumas exceções, essas personagens eram sempre muito depressivas por ser o que eram, e muitas, na primeira oportunidade que tinham, mudavam para se adaptar ao padrão. Também eram rejeitadas, e mudavam para serem aceitas.

Personagens que podem ser incluídas nessa categoria: Dinky Bossetti (Winona Ryder) de A volta de Roxy Carmichael; Laney Boggs (Rachael Leigh Cook) de Ela é demais.

1º Lugar - A escritora excêntrica


Karen Eiffel - https://montclairfriends.org


Esse é MEU estereótipo hahaha. Sempre que aparecia essa figura em qualquer filme, eu vibrava e achava a coisa mais legal do mundo. Ver que todo escritor era diferentão e tinha seu próprio modo muito particular de ver e resolver as coisas me fazia me sentir em casa, porque eu me sentia assim o tempo todo, já que ninguém me entendia no mundo. E o lance da escrita, claro, eu sempre escrevi e tive a impressão que meu propósito de vida era justamente esse. 

Personagens que podem ser incluídas nessa categoria: Virgínia Woolf (Nicole Kidman) de As horas; Karen Eiffel (Emma Thompson) de Mais estranho que a ficção.


*****

E vocês? Tem algum estereótipo com que se identifica?
Comenta aí!





Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©