20.1.16

[SELECT] Personagens de séries que me representam

20.1.16


Tinha prometido a mim mesma que postaria regularmente três vezes por semana, assim como tinha prometido que só postaria blogagem coletiva uma vez por semana, e parece que já comecei a falhar. Mas sou brasileira e não desisto nunca, então voltarei a tentar xD.

Preciso postar a resenha do desafio 24 filmes. Amanhã verei algo digno sobre o qual escrever um review.

Enquanto isso, antes que vença o mês e eu perca esse tema lindo proposto pelo BLOGS QUE INTERAGEM SELECT, quero muito falar sobre "personagens de séries que me representam", porque sou dessas que vê séries pelas personagens e nem tanto assim pela história. Basta um me conquistar que eu engulo o enredo que for xD. Devo ressaltar que de início interpretei "representam" como "com que identifico". Depois, no final, fiquei pensando que a representação podia ter uma conotação diferente, como algo que é símbolo do que acredito ou de como acredito que deveriam ser as coisas. Daí acabei escolhendo mais uma personagem para identificar esse aspecto também. Colocarei-a como "menção honrosa".

Vamos à lista, tentei ser diversificada, escolhendo homens e mulheres:





Nativa de Metrópolis, Chloe é a melhor amiga de Clark Kent. No início da série, [trabalhando no jornal da escola] Chloe começa a notar que todas as coisas estranhas que acontecem em Smallville possuem alguma ligação com a chuva de meteoros e os fragmentos que restaram, juntando muita informação e reunindo-a no que ela chamou de "mural do esquisito". (Wikipédia)


É muito nostálgico retomar a Chloe nesse post, apesar de já ter falado dela no blog (aqui), mas minha identificação com ela foi imediata. O gosto dela pelo que era estranho na cidade, além do seu faro de jornalista me fascinava muito e eu também me identificava com a maneira como ela se relacionava com as personagens no início, principalmente, quando ela era uma garota amiga de todo mundo. E aquilo de ela ser a melhor amiga do Clarke e ficar babando por ele, e ele nem dar moral, nossa, vivemos isso juntas xD. Lógico que depois ela se torna uma supernerd ninja e daí eu já não me sentia tão identificada, mas, de todos os modos, sofri e chorei e sorri com ela nas últimas temporadas, no relacionamento dela com o Oliver que foi o melhor relacionamento de série ever.




Dr. Daniel Pierce é um excêntrico professor de neurociência com esquizofrenia recrutado pelo FBI para resolver casos complexos. Pierce tem um grande background acerca do comportamento humano e a respeito de como funciona a mente humana. Ele ainda tem habilidades para reconhecer padrões e descobrir as entrelinhas no passado das pessoas.(Wikia)

Pra começo de conversa, não, não me identifico com a esquizofrenia do Daniel, tampouco com suas alucinações. Minha identificação com essa personagem tem a ver com sua maneira de ver e se comportar diante do mundo que o cerca, ou seja, Daniel, de certo modo, não sabe existir no mundo como uma pessoa que se encaixa nele e está o tempo todo se protegendo de tudo. Ele sempre está completamente vestido, sem mostrar quase nenhum vestígio de pele, e está sempre abraçado com essa bolsa, como uma forma de se distanciar de todos que o rodeiam. Eu meio que me comporto assim também, sem estar consciente, na maioria do tempo — andar abraçada com a mochila me faz me sentir melhor, serião. E a grande ironia é que passamos tempo demais estudando e tentando entender como o ser humano funciona para, cada vez mais, não sabermos atuar em conjunto.




Donna Noble é um personagem fictício da série britânica de ficção científica Doctor Who. Retratada pela atriz e comediante britânica Catherine Tate, ela é uma companheira do Décimo Doutor (David Tennant). Originalmente aparecendo na cena final da 2ª temporada em 2006 e como atriz convidada no especial de Natal seguinte, "The Runaway Bride", Tate não era esperada para reprisar seu papel como Donna. [...]. No entanto, [...] expressou interesse em voltar para o papel, e ela voltou como Donna durante a 4ª temporada (2008) e, posteriormente, nos especiais de Natal e de Ano Novo em 2009-10. (Wikipédia)

Sempre comento isto pra todo lado: estive muito bem preparada para a troca de doutores ao longo das temporadas de Doctor Who, mas não estive preparada para a saída da Donna. Lembro demais que da 1a vez em que ela apareceu, pensei na hora: "Nossa, ela seria o tipo de pessoa que valia a pena ser companion regular", dada essa questão, interessante até, de o Doctor acabar se relacionando com um monte de gente, mas nem todas as pessoas se tornarem companions dele. Daí ela sumiu, mas vez ou outra eu voltava a pensar nela. Quando Donna retornou como regular, quase pulei de alegria e meu pensamento inicial só se confirmou mais e mais. Meu nível de identificação com ela foi 1000, não somente a respeito da vida que ela levava, mas também da maneira como ela se portava em relação a tudo, sua curiosidade, sua vontade de as coisas, de saber o máximo possível, de querer se aventurar. Ela só estava esperando uma oportunidade e não a renegou quando ela apareceu. Mas ela não ter a vida que sonhava não a tornou uma pessoa amargurada ou infeliz. Ela fazia o que dava pra fazer com o que tinha. E aquela paradinha da autoestima, tão bem colocada na série... aaaaah, dá até um nó na garganta falar da Donna, gente. E acho mais, acho que toda a complexidade do Doctor foi explorada nas temporadas em que ela esteve com ele. Foram as temporadas mais intensas da série. Quando ela teve que sair, pohan, eu saí junto com ela, não consegui mais ver a série. Daí que digo sempre que Doctor Who termina na 4a temporada pra mim.





Depois de 19 anos preso no corredor da morte por violentar e matar sua namorada adolescente de 16 anos, Daniel Holden é libertado por conta de uma nova evidência de DNA. Agora, ele está de volta em um mundo que já não conhece mais e que pode ser tão sem compaixão quanto a prisão. Assombrado pelo passado, Daniel luta para se adaptar à sua nova vida, de volta à cidade natal e à sua família, ambas muito fragilizadas e divididas por todos os eventos que levaram à sua injusta condenação. (Minha série)

Outro Daniel, abafa xD

Se Rectify é uma das melhores séries que assisti, muito se deve à caracterização do Daniel. As primeiras cenas de ele saindo da prisão e interagindo com o mundo real é uma das coisas mais lindas que eu já vi na vida.

Daniel passou 19 anos na cadeia sem qualquer contato com o mundo lá fora, então ele perdeu muita coisa. Não vou tentar descrever nem desenvolver isso porque tudo soa muito idiota perto do que esses 19 anos representam. Enfim. A única companhia que ele teve ao longo de todos esses anos foi a dos seus livros. E ele leu muito. E leu coisa profunda. Ele passa o tempo todo na série citando Santo Agostinho e São Tomás de Aquino, por exemplo, além de vários escritores e pensadores famosos. Mas esse conhecimento enorme que ele adquiriu nos seus anos na cadeia não valem um dia de experiência no mundo real. Isso e mais o background dele torna-o muito complexo e muito fascinante. E mesmo quando Daniel sai da cadeia, ele só sai de uma pra outra, porque o mundo como ele se apresenta, a visão que as outras pessoas têm dele nesse mundo e a própria espera e expectativa no desfecho de sua história, faz dele outra prisão. 

Identifico-me com o Daniel justamente nesse dilema, sendo muito parecido com o do Daniel Pierce, que é esse de tentar alcançar as coisas e não ter experiência ou as habilidades necessárias para estar nesse mundo de uma forma que eu faça parte dele. Os discursos são sempre confusos, a distância é enorme, e tudo parece muito difícil e muito cansativo. Então você espera um desfecho, mas...





A Ellie é uma detetive de uma cidadezinha que tem de investigar a morte de um garoto que era amigo dos filhos dela. Ela auxilia o detetive Alec Hardy (Tennant) que vem de outra cidade para cuidar do caso. É bastante difícil para Ellie dar seguimento às investigações, porque a cidade é pequena e ela conhece todo mundo. Todavia, conforme o caso vai se desenrolando, muitos segredos vão vindo à tona.

No início, a Ellie parece uma pessoa desengonçada que ninguém dá muito por ela (o que termina dizendo que "sim, comecei a ver a série por causa do Tennant" xD). Parece que ela só vai atrapalhar o Hardy em vez de ajudar, porque tudo se transforma em um osbtáculo e ela tem uma resposta pronta para todas as perguntas dele, em defesa dos habitantes de Broadchurch. Porém, ao longo da história, ela vai se revelando, vai tendo espaço e nos diz certinho a que veio. Então a gente nota que se trata de uma mulher batalhadora que está no lugar certo pra ela, mas que também é humana e é incapaz de pensar que as pessoas ao seu redor são ruins.

Identifiquei-me com ela porque, entre esse jeito destrambelhado e a competência toda que ela revela ao longo da história, a Ellie é uma pessoa de carne e osso que comete seus erros, tem seus acessos de raiva, é afetada pelas coisas exteriores (lógico, mas não vou dar spoiler xD) e procura sempre ser autossuficiente. Gosto =).


MENÇÃO HONROSA: HELEN MAGNUS - SANCTUARY




Como tinha prometido, se o "representar" da proposta da blogagem tiver a ver com um símbolo, com certeza este seria a Helen Magnus, de Sanctuary. Gente, que mulher massa. Ela é uma cientista de 157 anos que é imortal e usou desse dom a fim de criar um abrigo para seres sobrenaturais (estranhos), ou seja, ela podia estar matando, estar roubando, ou simplesmente estar sendo diva, mas resolveu levar o projeto do pai adiante e trabalhar em favor dos outros.

Além disso, a personalidade dessa mulher é tudo o que eu queria na vida: ela é serena, segura de si, inteligente ao extremo, autossuficiente, líder, feminina, ninja xD — mas é ninja de verdade, ela tem treinamento tático e todas aquelas paradinhas que a faz "lutar como uma mulher" ♥... Quando a gente está indo com o leite, ela está voltando com uns 35 queijos xD — aquelas metáforas de mineira xD.

É engraçado que, sempre que o Will, o colega dela, está formulando alguma coisa, ela já montou o plano, o está executando e está manipulando o Will no cenário todo. E o mais legal é que ele confia nela um milhão de por cento, então ele faz mesmo o jogo dela. Amo. Shippei hard esses dois, mas não virou nada, affs, vou escrever uma fic xD.

Assim, Helen Magnus me representa e representa toda classe feminina de mulheres empoderadas sin perder la ternura jamás.


Chega, né xD.
Mas não dá pra escrever pouco quando é um assunto tão legal ♥


*****

Outros blogs que falaram sobre esse tema ♥ (acessem, gente, só amor, e com bem menos texto, então sussa xD):


Comente com o Facebook:

17 comentários:

  1. Também fiquei confusa com esse "representa", levei para o sentido de identificação. Você vê muita série!! Como consegue?? Eu não tenho paciência de assistir tudo e acabo largando na metade...

    ResponderExcluir
  2. "Sou dessas que vê séries pelas personagens e nem tanto assim pela história"
    Também sou dessas. Não sei o que isso diz de nós, mas enfim... Nossa, das séries que você falou, só conheço Smallville e Doctor Who. Acho que estou ficando desatualizada.

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei suas escolhas, apesar de não assistir a maior parte delas KKKK Gosto muito de uma série quando consigo me identificar com algum personagem, pra mim torna a história mais interessante, passo a ver com outros olhos os acontecimentos, sempre pensando em como aquilo vai mudar o destino do personagem que eu mais gosto. Enfim, preciso me atualizar no que diz respeito à séries KKKK Um beijo : *

    www.fleurdelune.com.br

    ResponderExcluir
  4. Gosto do seu estilo de escrever. Apesar dos textos longos, você consegue prender o leitor (digo a mim) e encantar com esse bom humor de mineira.
    Muito bom!

    ResponderExcluir
  5. Chloe Sullivan <3 Gente. Tenho anotado em diversos cadernos (inclusive o que uso hoje no trabalho) a carta que ela escreveu pro Clark *-* essa coisa de "apaixonada pelo melhor amigo" me representou por muito tempo também... Minha personagem favorita de Smallville é a Lois mas a Chloe vem quase empatadinha com ela.
    As outras séries infelizmente não assisto =/ Mas Doctor Who é uma série que eu sinto que deveria ver. E Rectify também me interessou por sua resenha da série.

    ResponderExcluir
  6. Dessas séries eu só vi Doctor Who. Quero ver Broadchurch por causa do Ten. Olha eu aqui querendo copiar esse post. <3

    ResponderExcluir
  7. Primeiro preciso dizer, que seu layout é liiindo! Sério! Quanto ao post, eu assisto muitas séries, mas de todas da sua lista, eu só conheço a Chloe, que aliás também é minha personagem preferida de Smallvile (que eu ainda não vi até o fim, mas vou ver), super me identifico com ela! <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Sali por que motivo seus textos tem que ser tão perfeitos??? Adorei!! Não acompanho essas séries, mas deu vontade de ver Sanctuary, então vou sair cassando a série como um maluco imediatamente!!!

    ResponderExcluir
  9. Nossa, adorei o post! Realmente, existem personagens que a gente se identifica de imediato. Sempre gostei da Chloe e da Donna, mas não me identifico muito com elas. Os outros personagens que você citou são de séries que não acompanho, mas vou procurar saber mais sobre.

    Sucesso com o blog! Abraços!

    ResponderExcluir
  10. AAAHHHH, EU AMEI ESSE POST. Adorei o tema, me identifiquei. Quero fazer um assim, HAHAHA. Beijos! Ótimo blog.



    http://simplesmente-clara.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Adorei o post parabéns 👏🏼

    ResponderExcluir
  12. Curti seus personagens, não conheço nenhum dos seriados, mas gostei das duas últimas. Geralmente curto ver a história, nunca assisto nada por conta de personagem, mas parece que me despertou curiosidade para ver, por causa delas! Achei interessante!
    Seu blog é um amor!
    Bjos

    www.faseseestacoes.com.br

    ResponderExcluir
  13. Adoreei tuas escolhas Sali ♥ Se identificar com um personagem é uma delícia, não é? Toda vez que ele aparece você fica pensando "poxa, eu faria o mesmo" aiuehaiuhe. Adorei mesmo.

    ResponderExcluir
  14. Dos citados só conheço a Chloe ~ risos ~ que eu particularmente adoro.
    Adorei esse post, depois vou procurar as outras séries para assistir.

    Beijos
    Cami Santos
    www.camisantos.com.br

    ResponderExcluir
  15. Poxa, acho que eu preciso procurar mais sobre essas séries, confesso que a única que eu conheço é Smallville e sempre gostei da Chloe, mas acho que não tem nada a ver comigo.
    Beijos,
    O Faz de Conta da Liv

    ResponderExcluir
  16. Ei, tudo bem?
    Eu adorei os personagens que você escolheu, apesar de eu não conhecer nenhum deles. Cada coisa que você escreveu me fez lembrar porque eu amo assistir séries. Vou procurar essas que citou (menos Smallville) para assistir.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura

    ResponderExcluir
  17. Adorei ver a Donna no meio desses personagens, ao contrário de ti nunca estive preparada para a saída do Tennant e até hoje é meio complicado assistir as temporadas sei ele hahaha A Donna sempre foi encantadora demais, toda curiosa e o modo como agia mesmo como amiga do Doctor e as vezes pareciam irmãos discutindo, adorava demais hahah O episódio que ele tem que deixar ela me deixou mal por DIAS, foi muito triste, ele um homem já tão solitário tendo que deixar mais uma companion e seguir sozinho novamente. Não nasci pra ver o Doctor triste não, principalmente o Tennant hahah Beijão

    Quero ser Miranda

    ResponderExcluir

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©