4.4.15

[24 Filmes] La Belle et la bête [2014]

4.4.15



Para falar a verdade, é até estranho começar um post depois de tanto tempo sem escrever no blog. Enfim, poderia listar uma série de acontecimentos que serviriam como desculpas muito pertinentes, porém a verdade é que estava sem disposição mesmo xD. Nem posso reclamar de falta de leitura ou de leitores, porque a verdade é que este blog foi o meu mais bem recebido de todos, e tenho estado bastante satisfeita. Acho que estava mesmo era desanimada com a perspectiva de não cumprir os desafios que me propus a fazer este ano (e com o fato de não ter respondido os coments lindos que recebi), ainda mais com a minha volta à academia que sempre me obriga a ler quilos de teoria e pouca literatura (paradoxos de se fazer algo voltado para a literatura). Mas *pausa dramática* resolvi estruturar toda minha vida acadêmica e estou de volta com o ímpeto de colocar tudo em dia. Vou começar com os desafios de filmes (que são os mais fáceis hehe), então esse blog, por um tempo, será predominantemente sobre filmes xD. Espero que não fique chato para ninguém. 

Devo 5 resenhas para o desafio "24 fimes para 2015". Vou começar com a releitura francesa de "A bela e a fera", do diretor Christophe Gans. Para não falarem que eu só falo de filme da década de 80, trago este de 2014 como requisito para preencher o campo "contos de fadas" do desafio em questão.





Sinopse: No ano de 1810 um naufrágio leva à falência um comerciante (André Dussollier), pai de três filhos e três filhas. A família se muda para o campo e Bela (Léa Seydoux), a filha mais jovem, parece ser a única entusiasmada com a vida rural. Certo dia, o pai de Bela arranca uma rosa do jardim de um palácio encantado e acaba condenado à morte pelo dono do castelo, um monstro (Vincent Cassel). Para salvar a vida do pai, Bela vai viver com o estranho ser. Lá ela encontra uma vida cheia de luxo, magia e tristeza, e aos poucos descobre mais sobre o passado da Fera, que se sente cada vez mais atraída pela jovem moça. Fonte: adorocinema.com

Antes de tudo, acho interessante fazer um pequeno parêntesis para falar do diretor, porque saber um pouco da sua trajetória pode trazer um pouco de sentido à essência do filme: Christophe Gans sempre esteve profundamente ligado aos gêneros de terror e fantasia. Só lembrar que ele dirigiu o filme Pacto dos Lobos, em 2002 e também Terror em Silent Hill, em 2006. Além disso, ele foi fundador da revista Starfix que sempre comentou sobre vários grandes nomes do terror e da fantasia, como os diretores David Cronenberg, Dario Argento, Russel Mulcahy, David Lynch, John Carpenter etc. 

Certo. Com isso pensei: é, já faz sentido que o filme tenha uma marca supostamente mais dark e tenha cenários super bem trabalhados. Não sei por que, mas sempre que penso nessa visão meio hollywoodiana de fantasia, me vem a ideia um worldbuilding super bem esquematizado, estilo Senhor dos anéis e talz. Posso estar falando uma bobagem imensa, mas é o que me vem mesmo à mente.

Entretanto, o que aconteceu com A Bela e a Fera foi que esse worldbuilding ficou tão lindo, tão majestoso que parece ter feito a produção do filme gastar as energias só com isso e esquecer da história... detalhe, um enredo, imagina...




Então, no fim das contas, ficou um filme pretensioso que não saiu da mesmice a la Disney e não acrescentou nada. Houve tentativas de se acrescentar algo, mas o resultado foi tão acessório que não fez diferença alguma. 

Cito algumas: Na história em questão, o pai de Bela tem três filhas e três filhos. As duas irmãs dela me lembraram as meias-irmãs da Cinderella, mas elas não tiveram participação na trama. Apareceram no início só para serem chatas, e mais nada. Dos três irmãos, dois são totalmente descartáveis, e um, o que é responsável pelo conflito na história, me remeteu ao corcunda de NotreDame com a cigana, porém serviu mais como ferramenta para o desenvolvimento do enredo, numa situação passiva, do que teve um papel de profundidade que justificasse sua razão de ser enquanto personagem mesmo. Não sei se me fiz entender, mas é isso, ou seja, para mim, personagens têm de ser responsáveis por ações, não ações têm de fazer ou requisitar personagens... Ou pelo menos tem que parecer assim xD.

Outra tentativa foi a história da Fera. Pareceu-me demasiadamente rasa, mais rasa ainda do que a história da Disney. A Bela vai descobrindo aos poucos essa história no decorrer da trama, como um quebra-cabeças montado no decorrer do filme, mas a história me pareceu jogada no enredo, sem ter qualquer ligação com os acontecimentos. Entendo que é uma forma de ir aos poucos humanizando a Fera de quem a moça é refém, mas a maneira como isso foi conduzido ficou muito sem graça, para mim. Acho que se ela acabasse ajudando a Fera a encontrar a antiga esposa teria sido muito mais bonito xD.




E uma outra tentativa ainda é o fato de eles criarem uma história para a família da Bela. Mas, assim, não sei de onde eles tiraram tanta coisa. E foi tanta coisa que não serviu para nada que não fosse empacar a história e fazer tudo demorar a acontecer. Meia hora de filme que, se tirar, não faz praticamente nenhuma diferença para a trama. Ou meia hora que poderia ser resumida em 5 minutos, contando a história do irmão mau caráter (que por sinal é o Eduardo Noriega, protagonista do filme Abre los ojos, o primeiro resenhado para esse desafio. Mesmo estragado, ele continua uma lindeza).



Vale ressaltar também que (me pareceu que) eles tentaram fazer várias alusões a outros contos de fadas, como "Cinderella", "Chapeuzinho Vermelho", "Branca de Neve". Eu ainda vi "Alice no país das maravilhas" e o "Corcunda de Notre Dame" que não são contos de fadas, mas são parte do imaginário popular no mesmo nível aí xD. Só que também não serviu pra nada e não acrescentou nada. Alusões gratuitas, na minha opinião.

*****

O romance da Bela com a Fera não é nada, nada, nada explorado. Então parece que no final eles ficam juntos porque têm de ficar, e não porque se apaixonaram. Enquanto a Bela parece ser conquistada mais pelo luxo do palácio e pelos vestidos do que por ir conhecendo a Fera (que tampouco tem muito o que apresentar), esta parece apenas ligada à beleza da moça, e se isso não é desvirtuar completamente a "história original" que eu já não acho lá essas maravilhas (ainda não vi a versão do Cocteau, mas verei \o/), não sei o que é xD. O grande charme da história da Disney era a Fera se fazer reconhecer como ser humano e revelar uma beleza interna, o que só podia ser visto por uma pessoa de grande sensibilidade, que, no caso, era a Bela. Nesse filme não tem nada disso.

A caracterização da Fera também não me convenceu. Achei-o mais Fera versão humana que versão Fera. Penso: "Já que o diretor era tão ligado a filme de terror, o que custava fazer uma fera que realmente aterrorizasse? A condução do enredo já dá a entender que não é mesmo filme pra criança, então por que "amarelar" justo na parte mais interessante e mais pertinente? 


Bela e a Fera na cena da dança -- a Fera bem arrumadinha

Fera versão humana -- Cassel mais fera em todos os sentidos haha


Mas nem tudo é ponto negativo no filme. Como tinha dito antes, o wordlbuilding é muito bem cuidado, de modo que os cenários e a fotografia do filme são excepcionais. Na verdade, eu recomendando, digo que se tem que ver o filme com essa ideia de pensar no visual, porque até vale a pena se você não se preocupar muito com desenvolvimento de enredo XD. É, de fato, um colírio para os olhos, sendo clichê hehe. Na verdade, eu só queria ficar colando imagem do filme aqui, porque é uma mais bonita do que a outra, assim como as cenas.

Agora, olhem essas imagens aqui do casal protagonista e pensem se não rolava uma versão Bela e a Fera nesse naipe aqui, meio nu e cru e sem efeito especial haha (aquelas, 'bora escrever uma fanfic): 





Ficha técnica:
Título original: La belle et la Bête
Lançamento: 25 de setembro de 2014 (1h54min)
Dirigido por: Christophe Gans
Elenco: Vincent Cassel, Léa Seydoux, André Dussollier...
Gênero: Fantasia, Romance
Nacionalidade: França, Alemanha
Avaliação: 

P.S; Aproveito para deixar o link do blog da Ana Carolina, o "Mesa de café da manhã", em que ela faz uma resenha linda do filme e consegue ver coisas que eu não veria nem depois de ver o filme 400 vezes. Acessem lá para terem uma opinião diferente da minha, adoro:

Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. Quando eu vi esse filme pensei "nossa, deve ser horrível, não conheço ninguém", mas aí cada cena era melhor do que a outra, e me envolveu sabe? Mas me envolveu só no sentido cenário, como você disse, porque achei que deveria ser contdo por um ângulo diferente, e no final ficou tudo igual, e eu não gostei aiuehiauhe.

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Olha só, discordo de algumas pontuações que você fez, para mim eles conseguiram cumprir seu papel e fazer uma história amarradinha e com inspiração nas mais diversas versões do conto. Existe uma versão que fala da Belle como sendo a caçula de 7 filhos, também existe uma versão que vai para o lado de que a Fera foi amaldiçoada pela primeira esposa. Em nenhum momento eles se propuseram a trazer uma versão inédita ou algo assim, a intenção deles era claramente contar, novamente, a história da Bela e a Fera sob a ótica do diretor. Mas acho que essas diferenças de pontos de vista é que fazem assistir a um filme valer a pena, né?!
    A cenografia, figurino e etc são realmente de tirar o fôlego!!
    Também fiz uma crítica aqui: http://mesadecafedamanha.blogspot.com.br/2015/03/limaginaire-est-unique.html se tiver um tempinho, fica a vontade!

    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi <3

      Então, não só vi a sua resenha, como linkei aqui no blog e espero que as pessoas que passarem aqui ainda possam passar lá e ter outra visão a respeito da história. Você curte contos de fadas bem mais que eu (que na verdade não curto nada xD, gosto mesmo é de como acontecem as releituras) então sua resenha, desse ponto de partida, é muito mais sincera do que a minha. Como eu disse no coment que te escrevi, adorei a sua interpretação e queria demaaaais ter visto essa resenha no momento em que pesquisei pra escrever a minha, porque podíamos ter dialogado muito mais.

      Só antes de começar, e isso é coisa de gente da área mesmo, eu não curto pensar na intenção dos caras, porque eu não acreditaria neles nem se eles me contassem xD. Então tudo o que eu tenho mesmo é meu olhar sobre a obra, e o lugar de onde eu falo xD.

      Enfim, muita coisa que você viu no filme eu jamais veria mesmo por pura burrice, porque não conheço nenhuma versão da história que não seja da Disney xD e eu nem gosto da Disney xD. My bad aí. Porem, com você dizendo dessas várias versões, ainda acho que, na tentativa de resgatar essas diferentes histórias, a trama terminou sendo mais um bricolage de acontecimentos que não se misturam entre si. A impressão que me passa é de várias sub histórias que se espraiam do inicio para o meio e nunca mais se encontram. Desse modo não há para nada qualquer preparação do espectador para o que virá, e se eu não soubesse de cor do que a trama trata, teria deixado de ver nos primeiros dez minutos, porque a história não me estava levando a lugar algum. Pra mim eles pecaram num detalhe primordial que é a criação de expectativas no espectador desde o inicio, mesmo que seja para quebrá-las mais adiante.

      Não tinha entendido mesmo bulhufas da história da Fera, então sua versão me ajudou a compreender um pouco mais, porém, pra mim, a historia em si continua pecando por não provocar "catarse", colocando em termos mais técnicos, ou seja, não vejo um momento em que minha alma expurga junto com ela sua tragédia. Pra mim é praticamente o ponto mais fundamental de qualquer história. A falta disso só se justificaria se o distanciamento fosse importante, mas, dado o tipo de história, não me parece.

      Ou seja, a trama continua não me convencendo xD

      Sei que você não queria mudar a minha opinião, nem eu quero mudar a sua. Uma discussão não serve pra isso. Eu simplesmente adorei os pontos que você colocou aqui, me ajudou a entender muio melhor coisas que eu realmente não tinha entendido.Inclusive, eu poderia ter feito uma resenha muito melhor se tivesse lido a sua antes, mas antes tarde do que mais tarde, e obrigada demais por comentar aqui e explicitar tudo isso =D

      Excluir
    2. Oi Lady,
      vamos lá, primeiro só tenho a agradecer tanto a sua resposta sincera e de coração aberto, quanto o fato de você ter indicado a minha resenha como contraponto da sua, isso sim é interação e fico super contante quando encontro alguém disposto a 'brincar' disso comigo. Realmente tenho uma visão diferente do assunto, porque me dedico academicamente falando a pesquisa esses contos e como estudei cinema acabo tentando entender um pouco da construção estética do diretor e das escolhas de roteiro, mas isso é viagem de pessoas como eu, você não precisa entrar nessa trip comigo, não! hahahah

      O que eu gostei, especialmente, tanto na sua resenha, quanto na sua resposta pras minhas colocações, é que você me fez entender algo que ainda não tinha notado, a bricolagem (adoro esse termo) de versões vista por uma pessoa que não conhece algumas outras versões do conto clássico deve, realmente, ser bastante confuso e eu não tinha pensando sobre esse ponto de vista. A sensação deve ser mesmo de que a história não está levando a lugar nenhum, mesmo que se parta do princípio que mote dela está intacto.
      Também linkei a sua resenha como contraponto da minha lá no Mesa, justamente porque concordo que essa conversa é super sadia e gostosa de se ter!
      Venha tomar um café comigo quando quiser.
      abs

      http://mesadecafedamanha.blogspot.com

      Excluir
  3. Olá, Lady! Fiquei curiosa para assistir ao filme. Adoro contos de fadas e Tb curto assistir já preparada para um olhar mais crítico, acho bem bacana fazer esses paralelos que vc fez. Um que eu quero assistir no momento eh a nova versão da Cinderela. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olhei o poster e achei tão lindo, aí você foi colocando as outras fotos... Nossa, me deu vontade de ver só pelos cenários. Desanimei um pouco com a sua resenha, porque pelo o que você falou eu também não vou gostar do filme.
    E olhando as imagens dos atores juntos no final, me parece que tinha potencial pra ser diferente (quero a fanfic!), haha.
    Agora me resta aguardar a nova versão da Disney...

    Beijos!
    Vestindo o Tédio

    ResponderExcluir
  5. Eu concordo com muitos pontos da sua resenha, mas acho que isso da Fera versão Fera ser mais "humano" foi um ponto bem positivo. Na minha visão, o castigo o tornou mais "humilde", ele conseguiu evoluir como pessoa, mas aprendeu a lição "tarde de mais".
    Como você citou, o filme é lindo e o resto é resto! LOL
    Adorei seu blog!
    Até mais!

    conexaolunar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Lady! Te indiquei para responder uma tag, não sei se você gosta de tags, se não gostar não tem problema. bjsss

    ResponderExcluir
  7. Ah, olha a surpresa! Eu aqui esperei anos e anos por esse filme. Você sabia que ele na verdade é um remake? O original é de 1946 e é um dos clássicos mais maravilhosos das adaptações do conto. Realmente o trabalho cenográfico e a fotografia desse novo remake de 2014, juntamente com a produção digital ficou tudo muito maravilhoso em conjunto. Em relação a história/enredo, segue diretamente com a lineup do original de 46 - particularmente, mais um motivo pra eu amar esse filme como remake - Mas olha, a sua crítica ficou maravilhosa, de verdade! Você explicou direitinho o que não gostou e o que gostou e apontou o filme como um todo. ADOREI!

    ResponderExcluir

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©