25.1.15

[52 filmes| 52 semanas] Bagdad Cafe - 1987

25.1.15


Sinopse:
Depois de brigar com seu marido e abandoná-lo na estrada, a turista alemã Jasmin (Marianne Sägebrecht) caminha pelo deserto do Arizona até chegar ao posto-motel Bagdad Café. Recebida com aspereza por Brenda (CCH Pounder), a dona do local que acabou de colocar o marido para fora de casa, Jasmin aos poucos se acostuma com os clientes e hóspedes do motel.  

Lançamento desconhecida (1h31min) 
Dirigido por
Com Marianne Sägebrecht, CCH Pounder, Jack Palance mais
Gênero Comédia dramática
Nacionalidade Alemanha Ocidental , EUA
 Fonte: adorocinema.com.br


Já vi que estou atrasada com os desafios de filmes, mas essa semana me ajeito.

Enfim, o desafio de 52 filmes| 52 semanas propôs, como primeiro tema, o "feminismo". Isso não significa necessariamente que tem de ser um filme sobre a luta feminista, mas uma história referente à situação da mulher de alguma maneira.  Isso me tranquilizou bastante, pra ser sincera... Não me considero feminista e não me identifico, digamos assim, com muitas situações vividas pela maioria das mulheres, embora saiba que só posso ter essa liberdade justamente pela luta de muitas delas. Respeito demais, claro. De todo os modos, sempre fui o que eu quis ser, e tenho pagado meu preço por isso. Pra mim todo mundo é ser humano, independentemente de gênero, cor, orientação, classe social, religião etc. É assim que procuro ver todo mundo, e é assim que luto para que me vejam.

Bom, mas vamos ao filme que é mais interessante do que minhas conjecturas xD.

Bagdad Café, como está descrito na sinopse, conta a história de Frau Jasmin e de como ela, após ser largada pelo marido no meio da estrada, em uma viagem turística cujo destino era Las Vegas, acaba caindo de paraquedas num motel/posto de gasolina/café de beira estrada nos Estados Unidos. Seu caminho, aí, se cruza com o de Brenda, a dona do motel/posto de gasolina/café que está em condições muito parecidas com a de Frau Jasmin. O marido de Brenda poucos minutos antes de a senhora alemã aparecer, tinha sido expulso de casa, pois Brenda não aguentava mais o descaso dele em relação à sua própria família e negócio. A chegada de Frau Jasmin vai trazer mágica àquele lugar abandonado e modificar profundamente as duas mulheres.

Frau Jasmin chegando e cara "amigável" -qn de Brenda

Muitas coisas me impactaram nesse filme. Primeiro o ritmo da narrativa, muito diferente do ritmo das histórias atuais, muito mais devagar e menos cheio de reviravoltas a cada 5 segundos. Não sei vocês, mas aprecio bastante esse ritmo mais lento... Outra coisa é a própria teatralidade do início. Há uma loonnga cena de briga entre Jasmin e o marido, dentro do carro, durante a viagem, mas a atmosfera criada faz com que não pareçam seres humanos, mas caricaturas de si mesmos. Isso me impactou porque fiquei pensando que às vezes a gente se apega tanto a um papel social que nos sobra para nós apenas uma sombra de humanidade. 




Já as cenas iniciais com Brenda, em movimento contrário, são muito intensas e não há quem não identifique, por mais que tenha se mantido longe da realidade. Mas sempre nos remete a alguém da família ou da nossa própria roda de conhecidos que tem nas costas o trabalho de casa, os filhos, o negócio próprio ou a jornada de trabalho fora, e os maridos são sempre uns encostados que não se lembram nem do mais fácil. E isso, claro, torna Brenda uma pessoa amarga, furiosa e mal-humorada. Como ela diz ao seu marido logo no início: "Você parece meu filho! E eu não preciso de mais um filho, porque já tenho dois". Em um acesso de raiva, expulsando o esposo de casa, as coisas parecem que nunca vão melhorar...

Outra coisa que me impactou demasiadamente, talvez mais do que tudo, foi como Frau Jasmin, mesmo em seu silêncio germânico, conseguiu melhorar a vida de todo mundo à sua volta. Obviamente ela também sofreu ao ser abandonada, mas preferiu não se deixar abater por isso, nem se queixar, nem se julgar o pior ser da história, e procurou fazer do seu entorno um lugar melhor. E olha que o entorno não tinha nada para motivar isso. Nem a vida dela. Ela chegou ao Bagdad Cafe praticamente sem dinheiro, apenas com a sua mala que nem era sua — por engano, o marido jogou pra ela a mala dele. Ela identificou logo que Brenda precisava de ajuda, e tentou fazer isso da melhor forma que pôde, invadindo sem invadir, sendo uma força nas sombras. E mesmo ela, com o coração duro como estava, não conseguiu não ser conquistada pela personalidade amável de Frau Jasmin. 

E aquele lugar, que era a personificação do abandono, logo se tornou uma parada acolhedora e almejada pelos caminhoneiros e pelos que viviam na redondeza. Frau Jasmin procurou levar mágica ao lugar, e tendo assim se proposto, conseguiu. E era do que todos precisavam ali, um pouco de mágica nas suas vidas empoeiradas.

Se ela começa o filme como uma sargentona alemâ, ela termina assim ^

Obviamente, esse movimento de Frau Jasmin é de mão dupla, ou seja, ao mesmo tempo em que ela transformava a vida de todo mundo, as pessoas à sua volta também transformavam a vida dela. E a abertura dela como ser humano e não uma caricatura de esposa é muito legal no decorrer da trama, porque tudo é mostrado pelo modo como ela posava de modelo para um ex-pintor de cenários de Hollywood. 

O filme não tem "efeitos" especiais, então a maneira como eles se viram para passar as mensagens e causar os efeitos na gente são muito interessantes. Valem mais que muitos efeitos hollywoodianos. 

A história é permeada de detalhes que a enriquecem muito e contribuem para causar um efeito impactante na gente. De um momento para adiante chega um forasteiro que acampa no pátio do motel e ele está o tempo todo jogando um bumerangue. Pude fazer várias leituras desse ato, mas creio que a mais pertinente foi realmente a questão de tudo o que a gente passa adiante, volta para nós. É uma metáfora da própria condição de Frau Jasmin que, ao direcionar para as pessoas o melhor de si, recebeu de todas elas o melhor de cada um. Também tem a questão do jogo entre passado e presente e entre presente e futuro, tudo isso faz diferença... Mas esse é apenas um detalhe dentre tantos outros que vou deixar em aberto, para não me delongar demais e para deixar que o olhar de cada um capte. Posso, no entanto citar alguns: a passagem dos caminhões como passagem de tempo, o vestuário de Frau Jasmin, o arco irís, a mala de roupas trocadas, o jogo de mágicas na mala do marido...

Como é um filme de superação, os enredos acabam se resolvendo — o que não deixa de fazer a gente pensar nas pessoas para quem as coisas não se resolvem assim. Mas a mensagem do filme é muito clara em afirmar que as mulheres podem ser independentes de um marido e terem sucesso na vida por si próprias. Elas não devem ter medo de assumir as rédeas do próprio destino e de se livrar dos pesos mortos, quando pesos mortos. Como eu gosto de dizer sempre: às vezes deixar algumas coisas para trás e seguir adiante não é fugir dessas coisas, mas enfrentá-las. Pra mim é essa a mensagem do filme. Ninguém depende de ninguém pra ser feliz e cada um pode trazer um pouco de mágica para sua própria vida.


Gostei muito mesmo do filme, e não consegui parar de chorar depois da primeira hora xD.

Avaliação:



Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. parece interessante esse filme, a mensagem que ele passa é importante para muitas mulheres. Faço parte de um grupo de Mães no face e o que vejo de post sobre mãe que quer se divorciar e não faz isso porque não sabe se vai conseguir criar um filho sozinha (financeiramente falando)... Parece que não, mas existe muitas mulheres assim ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha querida, depois de séculos e séculos amém XD
      Então, mostra esse filme pras suas amigas. Acho que elas vão curtir.
      Bom, pelo menos a imagem que eu tirei foi essa. E, tipo, é muito tenso ver como a Brenda era amargurada por causa do marido e como ela vira outra coisa quando ele vai embora. Obviamente, como eu disse, é um filme de superação, então tudo se ajeita no final, mas, assim, pode ser que a realidade das suas amigas não termine com um felizes para sempre como termina no filme, mas se terminar com um "feliz" para sempre, já é lucro, né?

      Um beijo =3

      Excluir
  2. Que resenha incrível, já fiquei emocionada com a história só de ler. Não conhecia esse filme mas agora quero parar tudo e assistir. Parece um filme encantador, singelo com uma mensagem linda. Obrigada pela dica ;)

    http://nerdicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha querida!
      Pois é, eu curto essas velharias cinematográficas, então vocês verão muitas delas por aqui hahahahaha. Mas por um lado é divertido, porque fica uma coisa diferente, pra quem tá buscando coisa diferente, né?

      Um beijo!

      Excluir

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©