5.12.14

Einstein provou que Deus existe?

5.12.14


Outro texto bastante comum que ronda as redes sociais é este aqui, atribuído a Einstein:



Alemanha 
 Inicio do século 20, durante uma conferência com vários universitários, um professor da Universidade de Berlim desafiou seus alunos com esta pergunta:
“Deus criou tudo o que existe?”
Um aluno respondeu valentemente:“Sim, Ele criou.” 
“Deus criou tudo?” Perguntou novamente o professor. 
“Sim senhor”, respondeu o jovem. 
O professor respondeu,“Se Deus criou tudo, então Deus fez o mal? Pois o mal existe, e partindo do preceito de que nossas obras são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mau?” 
O jovem ficou calado diante de tal resposta e o professor, feliz, se regozijava de ter provado mais uma vez que a fé era um mito.Outro estudante levantou a mão e disse: 
“Posso fazer uma pergunta, professor?” 
“Lógico.” Foi a resposta do professor. 
O jovem ficou de pé e perguntou:“Professor, o frio existe?” 
“Que pergunta é essa? Lógico que existe, ou por acaso você nunca sentiu frio?” 
O rapaz respondeu:“De fato, senhor, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na realidade é a ausência de calor. Todo corpo ou objeto é susceptível de estudo quando possui ou transmite energia, o calor é o que faz com que este corpo tenha ou transmita energia.O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe. Nós criamos essa definição para descrever como nos sentimos se não temos calor”  
“E, existe a escuridão?” Continuou o estudante. 
O professor respondeu: “Existe.” 
O estudante respondeu:“Novamente comete um erro, senhor, a escuridão também não existe. A escuridão na realidade é a ausência de luz. A luz pode-se estudar, a escuridão não!Até existe o prisma de Nichols para decompor a luz branca nas várias cores de que está composta, com suas diferentes longitudes de ondas.A escuridão não!Um simples raio de luz atravessa as trevas e ilumina a superfície onde termina o raio de luz.Como pode saber quão escuro está um espaço determinado? Com base na quantidade de luz presente nesse espaço, não é assim?Escuridão é uma definição que o homem desenvolveu para descrever o que acontece quando não há luz presente” 
Finalmente, o jovem perguntou ao professor: “Senhor, o mal existe?” 
O professor respondeu:“Claro que sim, lógico que existe, como disse desde o começo, vemos estupros, crimes e violência no mundo todo, essas coisas são do mal.” 
E o estudante respondeu: “O mal não existe, senhor, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é simplesmente a ausência do bem, é o mesmo dos casos anteriores, o mal é uma definição que o homem criou para descrever a ausência de Deus.Deus não criou o mal.Não é como a fé ou como o amor, que existem como existem o calor e a luz.O mal é o resultado da humanidade não ter Deus presente em seus corações.É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz.”
Por volta dos anos 1900, este jovem foi aplaudido de pé, e o professor apenas balançou a cabeça permanecendo calado…Imediatamente o diretor dirigiu-se àquele jovem e perguntou qual era seu nome?E ele respondeu: “ALBERT EINSTEIN.”

Segundo o site e-farsas, essa atribuição é FALSA! Pronto.

O versão mais antiga que se tem conhecimento a respeito dessa história está presente neste site (em inglês) e o texto, chamado "O professor ateu vs o estudante cristão", é atribuído a um autor desconhecido. 

A grande questão é que, segundo as pesquisas feitas pelo e-farsas, Einstein não se afirmava nem cristão e nem ateu — ou seja, se autodenominava agnóstico. Ele não acreditava em um Deus que pudesse ser associado a um ser, para ele a bíblia era demasiado infantil e ele achava ridículo que os judeus pudessem ser "o povo escolhido". E isso está escrito por ele em uma carta enviada para seu amigo, o filósofo Eric Gutkind. A imagem da carta está também no site mencionado, mas coloco aqui a citação que mais importa:

Foi, é claro, uma mentira o que você leu sobre minhas convicções religiosas, uma mentira que está sendo sistematicamente repetida. Eu não acredito em um Deus pessoal e nunca neguei isso[…]. Se há algo em mim que pode ser chamado de religioso então é a admiração ilimitada pela estrutura do mundo tanto quanto a nossa ciência pode revelar”.


Vale a pena dar uma conferida no e-farsas para se aprofundar no assunto. Ali eles discutem não só a posição de Einstein a respeito da religião, como também muitas das noções que são apresentadas no texto, como, por exemplo, "o que é o mal". Não deixe de passar lá, não.

Por ora, apenas não passaremos mais adiante esse tipo de texto xD. 

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©