14.11.14

Um dia você aprende que... Shakespeare NÃO escreveu isso

14.11.14


Começa assim o texto:

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança ou proximidade. E começa aprender que beijos não são contratos, tampouco promessas de amor eterno. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos radiantes, com a graça de um adulto – e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, pois o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, ao passo que o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.


E continua...




E o que mata são os créditos no final do texto...

Não sei vocês, mas quando vejo um texto escroto atribuído a algum dos meus autores favoritos, tenho vontade de jogar gasolina e tacar fogo nessas redes sociais. Não sei se é pior o fato de as pessoas saírem compartilhando a esmo essas paradas, ou se é vê-las curtindo e achando lindo, elogiando o autor, como se só porque aquela coisa leva o nome dele, pudesse ter, de fato algum status.

Enfim, eu já vinha pensando nisso há um bom tempo, e tenho recolhido material de diversos lugares para alimentar essa seçãozinha, então espero que seja útil. Com isso, pelo menos, tenho certeza de que estou fazendo algo para que o mundo seja um lugar melhor, evitando fazer os esqueletos dos meus autores se sacudirem no túmulo sem motivo.

O primeiro texto, óbvio, tinha que ser esse: UM DIA VOCÊ APRENDE QUE... (até porque é o mais fácil de achar a verdadeira autoria xD)

Quem nunca recebeu uns 300 power point da tia, umas mensagenzinhas do facebook das amigas da mãe, com fotinhos e glitter e musiquinha... Acho que não existe a pessoa que não cruzou com essa mensagem alguma vez. 

E uma coisa curiosa é que sempre que a gente recebe esse texto, ele está diferente. Um texto "Frankenstein", como dizem. O que não muda, pelo menos nunca mudou pra mim, é a assinatura do Shakespeare. Essa está sempre lá embaixo, como se em um dado momento ele dissesse: "cansei de ser dramaturgo e poeta, vou escrever autoajuda para adolescentes que é mais negócio". Amém.

Esse texto "Um dia você aprende que", na verdade, é a mutação de um poema de uma autora chamada Veronica Shoffstall, escrito em seu anuário escolar e registrado em 1971. Segue a versão original e sua respectiva tradução:

After a while -- Veronica Shoffstall
After a while you learn
the subtle difference between
holding a hand and chaining a soul
and you learn
that love doesn't mean leaning
and company doesn't always mean security.
And you begin to learn
that kisses aren't contracts
and presents aren't promises
and you begin to accept your defeats
with your head up and your eyes ahead
with the grace of woman, not the grief of a child
and you learn
to build all your roads on today
because tomorrow's ground is
too uncertain for plans
and futures have a way of falling down
in mid-flight.
After a while you learn
that even sunshine burns
if you get too much
so you plant your own garden
and decorate your own soul
instead of waiting for someone
to bring you flowers.
And you learn that you really can endure
you really are strong
you really do have worth
and you learn
and you learn
with every goodbye, you learn.


Depois de um tempo -- Veronica Shoffstall
Depois de um tempo você aprende
a sutil diferença entre
segurar uma mão e acorrentar uma alma
e você aprende
que amar não significa apoiar-se
e companhia não quer sempre dizer segurança
e você começa a aprender
que beijos não são contratos
e presentes não são promessas
e você começa a aceitar suas derrotas
com sua cabeça erguida e seus olhos adiante
com a graça de mulher, não a tristeza de uma criança
e você aprende
a construir todas as estradas hoje
porque o terreno de amanhã é
demasiado incerto para planos
e futuros têm o hábito de cair
no meio do vôo
Depois de um tempo você aprende
que até mesmo a luz do sol queima
se você a tiver demais
então você planta seu próprio jardim
e enfeita sua própria alma
ao invés de esperar que alguém lhe traga flores
E você aprende que você realmente pode resistir
você realmente é forte
você realmente tem valor
e você aprende
e você aprende
com cada adeus, você aprende.


O texto que me ajudou a desvendar esse "mistério", foi um comentário que li AQUI.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©