9.11.14

Wedding [2008]

9.11.14


Gênero: Comédia romântica
Episódios: 18
Ano: 2005

Sinopse: Lee Se Na e Han Seung-Woo vão a um encontro às escuras. Ela é uma mocinha ingênua, sonhadora, filha única de uma família rica e ele é um diplomata que conseguiu o cargo batalhando muito na vida. Nesse encontro, as diferenças entre os dois são mostradas em todos os níveis, entretanto, isso tudo deixa Lee Se Na fascinada, enquanto Han Seung-Woo se mostra totalmente desconfortável e apático. Acontece que ele está pensando em seu amor de infância, Yoo-su, que foi para o Japão com seu noivo, Jin-Hui, que era colega de Han Seung-Woo. 

No final do encontro Seung-woo pergunta a Lee Se Na: o que é mais importante no casamento para você? Essa pergunta a deixa bastante inquieta, sendo a motivadora do subsequente envolvimento dos dois. E eles já estão para se casar quando Yoon-Su comunica que está voltando para a Coréia con Jin-Hui. Ela, aparentemente, também alimenta certos sentimentos por Seung-Woo. A partir daí temos a oportunidade de ver possíveis respostas para a pergunta feita inicialmente, além de conhecer mais a fundo a história de Yoo-Su, Jin-Hui e Seung-Woo, além de um estranho entrelaçamento com Lee Se Na. 

Elenco Principal: Jang Na Ra como Lee Se Na; Ryu Shi Won como Han Seung Woo; Myung Se Bin como Shin Yoon Su; Lee Hyun Woo como Suh Jin Hui; Choi Woo Je como Jung Min; Tomo como Louie; Gong Hyun Joo como Oh Su Ji; Kim Min Joo como Cha Eun Hee; Kang Suk Woo como Lee Jung Il; Na Young Hee como Sung Hae Lim; Jung Young Sook como Jung Sook Hee


Baixei AQUI (torrent)
Legenda (em espanhol) AQUI




Comentário: 

A série corre em um ritmo bem rápido até mais ou menos o capítulo 5, quando temos a oportunidade de conhecer Lee Se Na e Seung-Woo. O primeiro que a gente percebe é a diferença gritante entre os dois. Estridente. E isso desde o primeiro minuto da primeira cena. No entanto, se parece que Seung-Woo vai odiá-la, o jeitinho dela vai conquistando-o nas pequenas coisas e mudando de alguma forma a maneira de ele perceber o mundo, ademais de ajudá-lo em certas situações. Lee Se Na é muito visceral nos seus sentimentos, muito simples e muito autêntica. É estranho, mas é bonito. Às vezes penso que deveria haver tido mais desse dating dos dois, todavia, entendo que não era o foco da história. Até os próprios personagens se dão conta disso mais adiante, confirmando que essa ausência é parte da história mesmo.


Lee Se Na e Seung-Woo

Seung-Woo descobre que o encontro dos dois foi arranjado por uma tia que estava em dívida com a família de Lee Se Na. Mesmo assim, ele decide levar adiante o plano de casar-se com ela, especialmente por descobrir que Yoo-su vai casar com Jin-Hui. Ele é sincero com Lee Se Na desde o início, mas ela acredita que tudo vai dar certo se ela acreditar com toda força de seu coração.

Lee Se Na sabe que Seung-Woo teve um grande amor, mas não sabe que se trata de Yoo-Su especificamente. Quando Yoo-Su volta, ela tenta se aproximar dela, e as duas acabam ficando amigas. 

No dia do casamento de Seung-Woo, Jin-Hui aparece. E ele também está ligado ao casal de uma maneira muito mais profunda, mais além da amizade com Seung-Woo.

Casamento

Bom, depois desse casamento, a série muda o tom. Na tentativa de enfocar o relacionamento dos dois casais, deixa a Lee Se Na e Jin Hui em segundo plano. Não me parece que isso acontece deliberadamente, mas com o propósito de mostrar a importância de Yoo-Su e Seung-Woo um para o outro. Quando acontece alguma coisa, os dois simplesmente deixam a tudo e a todos para se atenderem. Inclusive, não é sem razão que os dois amigos de Seung-Woo, quando querem a presença dele, passam mensagens fake no nome de Yoo-Su para que ele realmente apareça. É muito bonito o amor Seung-Woo e Yoo-Su, mas tem uma carga de culpa e responsabilidade de ambas as partes que é realmente muito triste. Talvez por isso seja mesmo bonito.

De uma maneira ou de outra, e esse é o ponto de todos os k-dramas que eu vi, todos os personagens evoluem no decorrer da série. Todos eles se são conta de suas ações, das consequências de cada uma delas e vão construindo a resposta para a pergunta feita no primeiro episódio, por meio do embate uns com os outros e com as próprias inseguranças. Óbvio que isso não é fácil. E se percebe na trajetória de Lee Se Na e Jin-Hui, pois, como Seung-Woo e Yoo-Su são pessoas totalmente introspectivas, a carga sentimental é jogada para os que sentem mais intensamente. Lee Se Na é a que sofre um processo de mudança mais agudo. Se Seung-woo lhe afirma inicialmente que lhe falta experiência de vida, a aquisição desta é, de fato, dolorosa.




Esse seriado me deixou pensando no que já tinha acontecido com a mãe da Dal Ja e o pai do Tae Bong, em Dal Ja's Springs, sobre o caminho inexorável da vida e o ato de se juntar os pedaços daquilo que se quebrou no passado e seguir adiante, porque a vida não espera. Essa é a atitude de Seung-Woo, paralelamente à atitude de Yoo-Su, que representa o passado, ou seja, a decisão de seguir seu caminho não importa o que passou. É e o que aprende Yoo-Su também, com suas nostalgias e sua culpa latente ao longo da trama.


Avaliação:



Pontos fortes:

* A maneira como a atitude de Lee Se Na vai mudando a percepção do mundo de Seung-Woo.
* A personalidade inicial de Lee Se Na.
* O poema de Goethe.
* A linha evolutiva das personagens principais.
* O elenco coadjuvante.
* Cena com a canção dos Carpenters.





*O fato de a roupa de Lee Se Na sempre estar combinando com a roupa de Jin-Hui.
* As duas amigas de Lee Se Na funcionando como a consciência dela, uma sempre falando o contrário da outra, balançando entre a realidade e a expectativa.





Pontos fracos:
*O enredo clichê.
* O miolo da série custa a avançar, em vista da indecisão especialmente da Yoo-Su.
* Jin-hui aparece pouco. Não falo isso por causa do ator, mas porque ele realmente é um personagem interessante.
* Os envolvimentos amorosos das amigas de Lee Se Na. Pra mim não fez muito sentido, foi um alívio cômico pouco significativo.
* O final bobinho.




Personagens interessantes:

1o - Pai da Lee Se Na (não lembro o nome dele nem à custa de reza brava):




Acho que o prêmio de personagem mais interessante da série vai para o pai de Lee Se Na. Ele é um crianção, super engraçado e a gente percebe de onde vem o gênio de Lee Se Na. Os dois são idênticos. O pai dela, ao contrário das amigas, é um alívio cômico significativo. Ele a mãe dela são extremamente cúmplices e é no nível deles que Lee Se Na almeja chegar no seu casamento o tempo todo, ou seja, naquele bom exemplo que ela teve em casa.


Pais de Lee Se Na



2o - Jin-Hui:


É um personagem muito diferente dos anteriores Doramas que eu vi com Lee Hyun Woo (custei a decorar o nome dele, sério!). Jin-Hui é arrogante e mimado. Ele realmente gosta de Yoo-Su, mas, sendo egoísta, sofre com o jeito dela de ver a vida, sendo tão desprendida e colocando a si mesma em último plano. Esse desprendimento é a lição principal que ele tem que aprender na história, se realmente almeja tanto assim ficar com Yoo-Su.


3o - Yoo-Su:



É bem complicada a história dela na série. Muito sutil, mas muito complicada. As impressões que temos dela oscilam a série inteira e, se em um determinado momento a entendemos e a apoiamos, em outro isso já se torna impossível. Isso acontece pelas constantes mudanças de pontos de vista da série, o que é muito interessante e evidencia o lado humano dessa personagem. Mas o que não some nunca é a simpatia por ela, isso não mesmo. Acho importante ressaltar que ela é florista na série. Sendo a flor um símbolo do efêmero e da própria vida, já podemos perceber a importância disso e a importância dela.


Vale a pena dar uma conferida na série, especialmente pra se ter uma ideia da distância entre o "felizes" e o "para sempre".

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©