9.11.14

Goong S/ palace S/ Season S/ Prince hours/ Imperial household [2007]

9.11.14



Gênero: Comédia/Romance
Capítulos: 20
Ano: 2007

Sinopse: A Imperatriz (Myung Se Bin) já tem trinta anos, mas não está casada. Como o sucessor direto ao trono faleceu, a família real está em busca de um novo sucessor. Por coincidência, tomam conhecimento de que existe um jovem que é filho de um príncipe e de uma mulher que deixou o Palácio mantendo a gravidez em segredo.

O nome do jovem é Lee Hoo (Se7en), chamado Kang Hoo por seus amigos. Lee Hoo trabalha em um restaurante chinês fazendo entregas, e é conhecido por entregar os pedidos em menos de 7 minutos. Lee Hoo foi criado como um plebeu, não como um príncipe, e sua forma de falar é muito diferente daquela forma empregada pela família real.

Ainda que nunca tenha sonhado viver no Palácio, um dia ele se encontra mergulhado em sua grandeza, e deve aprimorar-se para demonstrar que pode ser o sucessor ao trono. Muito cedo descobrirá que, para se converter em um membro da casa real, terá que lidar com dilemas de amor e nobreza, além de competir para a posição a que foi convocado a assumir. 

Em suas aventuras, Lee Hoo reecontra Yang Soon Ae, sua amiga de infância que agora é servente do palácio e por quem seu rival, Lee Joon, alimenta uma paixão. Também conhece Sae-ryeoung, uma suposta noiva de Lee Joon que na verdade só quer se tornar a mulher a importante da Coréia.


Elenco principal: Se7en as Lee Hoo / Kang Hoo; Heo Yi Jae as Yang Soon Ae; Kang Doo as Lee Joon; Park Shin Hye as Shin Sae Ryeoung

Baixei AQUI 
(legendado em espanhol)




Comentário


Não tenho muito o que dizer sobre ele, na verdade. Não é uma história que tenha me prendido. De inicio, inclusive, fiquei muito confusa com todos os cargos reais da Coréia e até hoje não entendo porque há dois aspirantes ao tal cargo de "Hwang Taeja"; nem porque depois disso "Pye Ha" não podia renunciar ao trono...

Mas tenho de admitir que a história foi bem amarrada, até consigo achar justificativa para grande parte dos acontecimentos. Penso, por exemplo, no fato de Lee Joon gostar da servente Yang: ele nunca teve contato com mulher nenhuma que não fosse a chata da Se-ryeong. Quando ele cai em cima da outra no vestiário, claro que poderia brotar nele certas vontades que se desdobrariam em certas curiosidades. O fato de Kang Hoo gostar dela também se apoia na amizade dos dois desde a infância e na associação dela com a parte da vida e de si mesmo que ele quer preservar. É idiota, clichê, no fim das contas temos os dois príncipes correndo atrás da servente do palácio, mas, como eu disse, dá pra justificar.

No entanto, fora a parte "Diário da Princesa" versão masculina, a história não tem grandes reviravoltas.

O eixo condutor da história é muito fraco, na minha opinião, simplista. Temos duas famílias competindo pelo trono real, uma que já se mantém nele e uma que quer deter o poder. Ou seja, é quase a história do Rei Leão XD, só que menos simbólica e mais batida. Definindo os bons e os maus, sobra muito pouco para termos com o que nos impactar na série.



Lee Hoo "Zé-Ruela"

Tendo isso em conta, observamos que competição dos dois "gong-jas"para aceder ao cargo se torna longa e cansativa. A jornada pessoal de Lee Hoo ou Kang Hoo, por exemplo, é totalmente previsível. A do outro, não tanto, o que salvaria, se ele não fosse tão chato, só atrás da servente o tempo todo, parecendo aqueles cachorros caídos da mudança. 

E, ainda, os dois brigando pela atenção da servente deixa a história monótona. Pra mim, o que salva mesmo em Goong S são os encontros da Pye Ha com o professor bonitão, na tentativa de viver seu amor proibido. Isso, assim, é muito bom, apesar do desenvolvimento tosco, e meu deu muita raiva de a situação não ter sido mais atenciosamente desenrolada. Se bem que se fosse, teria ofuscado todo o enredo principal... Deixa pra lá...


Professor Alex

As personagens também não dinamizam muito o seriado. Em suas jornadas, caem igualmente na monotonia e, até encontrarem um suposto caminho, ficam dando voltas e mais voltas inúteis, perdidas em uma confusão digna dos enredos mais tradicionais de novelas mexicanas. 

E o final, a mesma coisa de sempre, a famosa viagem de dois anos, que aconteceram em 100% dos doramas vistos, o regresso e a resolução que se dá quase num passe de mágicas. Ponto final.




Faltou um pouco de intensidade, na minha opinião. Eu não consegui sofrer nem sorrir com as personagens, e isso é o que mais conta em uma história, pra mim. Também, nos primeiros 5 minutos, já sabia tudo o que acontecer nos episódios subsequentes. Mas, como eu disse, ela é amarradinha, caminha, tudo dentro dos conformes, até demais. Para quem não gosta de grandes surpresas é uma boa pedida.

Avaliação:




Pontos fortes:

* Pai do Lee Joon (grande ponto da história, na verdade).
* As informações culturais ao longo da trama.
* Relacionamento de Pye Ha.


Pontos fracos:

* A competição entre os dois Goong-Jas de resultados previsíveis, inclusive a suposta surpresinha.
* Enredo incipiente, trama simplista.
* Final clichê.
*Todo mundo correndo atrás da servente Yang.
* Os diálogos de Pye Ha com o professor bonitão que são meio toscos, ou seja, ela sempre fala com ele em coreano e ele responde com aquele ingles extremamente carregado... Isso foi estranhíssimo.



Personagens interessantes:


1o - Pai do Lee Joon:




Grande vilão da história. É um dos ministros do parlamento e faz absolutamente de tudo para que seu filho ascenda ao poder. Quando supostos grandes segredos vêm à tona, revela um aspecto humano desconhecido e surpreendemente belo. É bastante silencioso, mostrando-se inicialmente ser quase de ferro. Todavia, no decorrer da história, essa própria construção maciça vai apresentando suas rachaduras.



2o - Pye Ha:


O oposto do pai de Lee Joon, sem sombra de dúvidas, como a escuridão e a luz. Possui todos os requisitos que uma grande governante precisa. Mas também é humana, mesmo que tenha tido que sacrificar esse seu lado em prol de seu governo. Vive um amor proibido com um professor que conheceu quando estudou na Inglaterra, mas esse é uma história de amor muito triste.



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nenhuma imagem presente neste blog me pertence. Todas foram encontradas na internet por meio de pesquisa no google.com e não viso qualquer fim comercial com seus respectivos usos. Se usei uma imagem sua e não lhe dei os devidos créditos, por favor me avise que o farei imediatamente, ou a retirarei do blog se você não quiser que eu a use. Visão Periférica - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©