24 maio 2016

Novidades, desabafo e dica de filme legal na Netflix

24 maio 2016
Imagem: Pixabay


Como é que a gente faz um post depois de ficar eras sumida?

O sumiço não é por falta de ideias, nem por falta de inspiração. Já disse que tenho tanta ideia de post pra colocar no papel que se postasse todo dia, encheria esse blog de conteúdo. O negócio é o desânimo mesmo, tanto pela correria da vida como pela situação politica do Brasil... Primeiro teve o golpe, e eu pensei: "preciso falar sobre isso no blog", depois veio aquela crise existencial de "ah, mas vou transformar o blog em blog político?" e depois "nossa, o que eu estou fazendo para contribuir com a luta contra isso tudo?" e depois "ai, meu blog é inútil, porque não consigo discutir sobre UM assunto sério que seja"... E então tudo vira uma bola de neve e os questionamentos vão ficando cada vez piores =(. 

Ainda não sei o que fazer, mas sei que posso começar pela atualização do blog e por visitar meus parceiros.

Enfim, as novidades na verdade é A novidadE, porque eu mudei a logo do blog e achei essa novo logo simplesmente linda! Quem fez foi a Mandy do Vintezanos e foi um investimento que valeu a pena! 

Na verdade, o cabeçalho era assim:




Mas como eu tenho problemas comigo mesma, mudei algumas coisas (Mandy, não me bate! xD). De todos os modos, quero usar esse no facebook, porque achei lindão.

Quero deixar bem claro que eu mudei o cabeçalho por lesada, amei o trabalho da Mandy, ela esperou meu aval pra fazer tudo e eu dei esse aval e quero que ela faça todas as próximas artes do mundo que eu imaginar *-*. 

Assim, se alguém quiser ilustração cabeçalho, de logo, de cartão de visita, ela faz tudo! Vai lá, clica aqui no banner e corre lá agora! 





*****

Esses dias estava acessando a Netflix e quase caí das pernas quando vi os "Adicionados recentemente". Eles colocaram um filme lá que eu procurei por 5 anos na internet, achei uma versão com uma legenda em búlgaro e estava eu mesma fazendo a legendagem dele. 

Este aqui, ó:

Reprodução internet

Nos anos 60, a garota Alice admira sua vizinha adolescente Sheryl, que vive seu primeiro amor com Rick. Todos na vizinhança desaprovam o romance, exceto a menina, que se torna confidente de Sheryl e vive uma noite inesquecível ao se juntar ao jovem casal. Baseado em romance de Alice McDermott. (Sinopse por: filmow.com)

A tradução em português é "Aquela noite", bem ao pé-da-letra mesmo =).

É um filme velhão (como eu se falasse de filme novo aqui no blog, abafa xD) e passou HOR-RO-RES na sessão da tarde no início da década de 90. Simplesmente, foi um dos filmes que mais me marcou na infância!

Lógico, corri para rever, como não?

A história gira em torno das três personagens mencionadas na sinopse: Alice (Elisa Dushku), uma menina de 10 anos tímida que é muito caçoada pelos colegas; Sheryl (Juliette Lewis) uma adolescente de 17 anos cheia de vida que gosta de se divertir e Rick (Thomas Howell), um bad boy por quem Sheryl se apaixona.

Tudo acontece na perspectiva de Alice, que vê na vizinha Sheryl tudo aquilo que ela gostaria de ser. E, diante de alguns acontecimentos, o caminho das duas acaba se cruzando, assim como acaba se cruzando com o de Rick também. E depois de uma noite que os três passam juntos, nenhum deles será mais o mesmo.


Créditos: chickstyleblog.blogspot.com

Revisitar esse filme me dá um nó nostálgico na garganta e me faz acreditar que os filmes de antes eram MUITO MELHORES que os de hoje (não estou falando que são, gente, é apenas aquelas coisas que batem). "Aquela noite" tem muita coisa a passar, e o enredo clichê é muito secundário perto do significado da história. De fato, trata-se muito mais de que um romance entre uma patricinha e um bad boy, é uma história de amizade e de como um momento bem vivido pode ser importante na nossa vida.

E, principalmente, a história ensina sobre "perda", sobre nada ser pra sempre, sobre pessoas que vêm e causam um profundo impacto na nossa vida, mas que têm que se ir e as lembranças se tornam um tesouro. Hoje em dia ninguém está acostumado a perder nada, e acho isso uma grande fraqueza do ser humano contemporâneo. Estamos cada dia mais bombardeados de mortos que ressuscitam, de pessoas que voltam, mas não sabemos lidar com aquelas que se vão, e esse filme fala justamente disso, sem que essa ida represente algo ruim, porque a vida é assim mesmo. Lidar com a perda é um rito de passagem e é o que faz Sheryl passar de adolescente para adulta e o que faz a Allie passar de criança para adolescente.

Nha, só de falar me dá vontade de ver de novo xD.

E super legal também que no filme tem muita gente famosa criancinha, como a própria Elisa Dushku que atuou depois em Buffy e Angel e a Katherine Leigh que faz um milhão de filmes (ou seja, muita gente = 2 pessoas).

Créditos: ispyafamousface.tumblr.com


Levei um sustão porque a mãe da Allie é a mãe do Daniel Holden de Rectify *como eu não me lembrei dissooo?

Uma pedida super boa para esse feriado, filme leve, recomendado para toda família e super lindo.


Mini-ficha técnica:

Ano de lançamento: 1992
Gênero: Romance
Direção: Craig Bolotin
Roteiro: Craig Bolotin
Duração: 89 min.

Avaliação: e mais uns 20 corações por favorito!


*****

Vou tentar postar regularmente uma vez por semana, quando eu chegar na meta, eu dobro a meta xD.

A ver se depois disso eu resolvo a vida.

Semana que vem vou me redimir com meus parceiros, fazendo umas indicações bacaninhas. 

*****

Gente, vou deixar avisado de antemão que tenho um problema seríssimo com responder comentário aqui no blog. Mas eu juro que respondo lá no seu bloguinho mesmo (tipo, eu retribuo visita, leio post, e faço um comentariozão abarcando tudo <3), então se comentar, PLEASE, deixa link. Desculpem por isso, mas quero ser sincera nesse ponto, de verdade. 

09 abril 2016

[WEDA - Dia 5] Dona da Tinta (e melhores da semana)

09 abril 2016
Imagem por: Pixabay

Ao som de:








Diluiu nas lágrimas as cores do arco íris e com elas maquiou o rosto. Pintou os lábios machucados de escarlate e envolveu o corpo em um vestido rodado. Nada nos pés, nada nos ombros, só a brisa do que viesse.




O que teve de lindo no WEDA da semana:



E a lista da Tais Pezzi, do Momentos de Lucidez mas nem tanto




06 abril 2016

[WEDA - Dia 4] Feliz aniversário

06 abril 2016


Ao som de:





Perdeu-se o amor em revelações cotidianas, nas linhas que pouco a pouco delinearam o improvável e mostraram as manchas por trás dos ornamentos. Tanto implorara, tanto fizera, e, para sua surpresa, essas mesmas manchas tingiam de alívio suas inquietações.

Perdeu-se talvez para ganhar-se: aprendera ser este o grande propósito.



04 abril 2016

[WEDA - Dia 3] Carolina

04 abril 2016


[Vou um dia atrasada e não acho que vou conseguir ficar em dia tão cedo D:]

Inspirado na canção "Carolina (Chico Buarque)







O criado-mudo nina o adeus em papel perfumado que exala o tempo se tivesse sido... Não quer contar à Carolina que seu amor se foi com aqueles momentos esvaídos detrás das cortinas ou nas frestas das portas, dali para o nunca...







Design & Desenvolvimento